Durante minha campanha para a prefeitura da cidade de São Paulo, pessoas imbuídas de má fé e certamente ligadas a outras siglas, inventaram 31 motivos para não votar em mim. Porém para cada um destes motivos infundados, tenho respostas baseadas em fatos e provas. Confira:

Defendi uma empresa nacional que estava sendo prejudicada pela concorrência desleal de uma multinacional estrangeira. Quem me conhece sabe que defendo e defenderei todos os que pedirem ajuda e estiverem sendo vítimas de práticas abusivas. Em virtude dessa defesa, acabei me tornando amigo do presidente da Dolly. Isso é público, nunca escondi e não há nada de errado em termos nos tornado amigos.

 

 

Resposta à afirmação enganosa a seguir:

17) Você sabia que Russomanno já defendeu na Câmara os interesses do seu sócio e maior doador de campanha, que foi condenado a cinco anos de prisão por crime contra a ordem tributária? Em 2004, ele apresentou à Comissão de Defesa do Consumidor, na Câmara dos Deputados, o requerimento de número 301, no qual pedia para que fossem investigadas denúncias sobre suposta concorrência desleal da Coca-Cola contra a Dolly. Depois de defendido por Russomanno, Laerte Codonho dono da Dolly, tornou-se, além de seu sócio, o maior doador de campanha do ex-deputado federal na disputa ao governo paulista em 2010.

 

Foto: Douglas Gomes