Durante minha campanha para a prefeitura da cidade de São Paulo, pessoas imbuídas de má fé e certamente ligadas a outras siglas, inventaram 31 motivos para não votar em mim. Porém para cada um destes motivos infundados, tenho respostas baseadas em fatos e provas. Confira:

Sempre fui correto nas minhas atitudes. Como a própria matéria diz, eu tinha demitido a funcionária do meu programa, pois estava fora do ar temporariamente. Por ela ser eficiente, a contratei para trabalhar na minha assessoria parlamentar. Na verdade foi uma continuação do trabalho, pois, tanto na televisão quanto na Câmara, defendo o consumidor. Nos meus primeiros quatro mandatos devolvi para os cofres públicos mais de 1 milhão da verba de gabinete. Quem age assim? Faço economia e só gasto o necessário, pois valorizo o dinheiro suado do contribuinte.

No presente caso, fui inocentado pelo Superior Tribunal Federal, a mais alta corte da Justiça Brasileira.

 

 

Resposta à afirmação enganosa a seguir:

16) Você sabia que Celso Russomanno foi denunciado no STF por peculato – pagar com dinheiro público uma funcionária particular? Ao indicar e manter Sandra de Jesus para ocupar cargo em comissão (secretária parlamentar) vinculado ao seu gabinete junto à Câmara dos Deputados, Celso Russomonno teria possibilitado o desvio de recursos públicos, uma vez que a servidora continuava a administrar e a gerir a empresa de Russomanno localizada em São Paulo. Mesmo condenado em duas instâncias e com a Procuradoria Geral da República pedindo a manutenção da pena, ele foi inocentado da acusação por articulação de ninguém mais, ninguém menos, que Gilmar Mendes.