Durante minha campanha para a prefeitura da cidade de São Paulo, pessoas imbuídas de má fé e certamente ligadas a outras siglas, inventaram 31 motivos para não votar em mim. Porém para cada um destes motivos infundados, tenho respostas baseadas em fatos e provas. Confira:

O destaque para a votação em separado da PEC 182/2007 apresentado por mim, diz respeito à doação para campanhas políticas. No texto estabelecia que as doações deveriam ser feitas para os partidos políticos e não para os candidatos a fim de que os candidatos não tivessem comprometimento direto com as empresas. Era este o texto que foi aprovado pelos deputados e depois derrubado no Senado e não pelo Supremo Tribunal Federal como está colocado aqui nesta falsa reportagem. Diga-se de passagem, o que acontece hoje é que aumentaram o fundo partidário, os partidos recebem mais dinheiro público para fazer campanhas políticas. Essas campanhas deveriam ser sustentadas pelos cidadãos de todo o país e pela iniciativa privada e não pelo dinheiro arrecadado com os impostos. Em um país onde falta segurança pública, educação e principalmente saúde, onde as pessoas esperam meses para conseguir uma consulta ou exame, anos para conseguir uma cirurgia, não se deveria usar o dinheiro público para o financiamento de campanhas, esse dinheiro é sagrado, é do povo. Era isso que eu não queria, e isso é o que foi aprovado. E hoje os fundos partidários recebem valores absurdos do dinheiro que você, cidadão, recolheu como imposto para ter saúde, educação, segurança pública, transporte coletivo de qualidade, e outros serviços. Infelizmente hoje parte desse dinheiro vai para as campanhas políticas porque aqueles que vendem essa situação querem tirar o dinheiro de impostos para campanhas políticas. Fui derrotado, mas acredito ainda, que fui derrotado na melhor das intenções, de fazer com que o dinheiro público permaneça nos cofres públicos para dar saúde, segurança, educação, transporte coletivo e outras coisas para o cidadão brasileiro.

 

 

Resposta à afirmação enganosa a seguir:

4) Você sabia que foi o Russomanno que tentou colocar na Constituição o financiamento empresarial de campanhas eleitorais? O deputado é o autor da emenda à reforma política (PEC 182/07) que mais tarde foi derrubada pelo STF, que acertadamente proibiu esse tipo de financiamento. Essa prática está nos genes de todos os grandes escândalos de corrupção do país.